terça-feira, 13 de setembro de 2011

Picanço-de-dorso-ruivo

Lanius colluri



Taxonomia

Família: Laniidae
Espécie: Lanius collurio (Linnaeus 1758).

Estatuto de Conservação:
Global (UICN 2004): LC (Pouco preocupante).
Nacional (Cabral et al. em publ.): NT (Quase ameaçado).

Fenologia: Nidificante estival.

Distribuição:

Global: Nidifica em latitudes médias do Paleárctico Ocidental em climas temperados, mediterrânicos e de estepe, principalmente em zonas continentais e baixas ( Cramp & Perrins 1993). Entre um quarto a metade da distribuição global de nidificação do Picanço-de-dorso-ruivo concentra-se na Europa, desde o Sul da Fenoscândia até ao Norte da região Mediterrânica (Heath 1994). Encontra-se na Albânia, Alemanha, Andorra, Áustria, Bélgica, Bielorússia, Bulgária, Croácia, Dinamarca, Eslováquia, Eslovénia, Espanha, Estónia, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Hungria, Itália, Letónia, Liechtenstein, Lituânia, Luxemburgo, Moldávia, Noruega, Polónia, Portugal, Reino Unido, República Checa, Roménia, Rússia, Suécia, Suíça, Turquia e Ucrânia (BirdLife International/European Bird Census Council 2000).
Espécie migradora, invernando principalmente em África (Heath 1994).

Nacional: Em Portugal, a distribuição do Picanço-de-dorso-ruivo encontra-se reduzida aos planaltos e serras do extremo norte e noroeste do país (Rufino 1989). Concentra-se num núcleo central na Serra do Barroso e em bolsas localizadas em Castro Laboreiro, serra da Cabreira, Alvão, Corno do Bico, Vila Verde (Pimenta & Santarém com. pess.), na Nogueira (Patacho 1998) e em Montesinho (Reino 1994).

Tendência Populacional:
Na Europa a espécie tem sofrido um declinio moderado, de forma continuada e generalizada a quase toda a área de distribuição (BirdLife International/European Bird Census Council 2000; Heath 1994).
Em Portugal não há evidências de estar a sofrer declínio populacional, mas como é uma espécie migradora a sua presença depende dos fluxos anuais de migração.

Abundância:
Em Montesinho, entre 1992 e 1993, foram localizados 6 casais (Reino 1994), podendo atingir os 30 casais em ano de maior fluxo migratório (F. Moreira com. pess.); na Nogueira, 3 casais entre 1995 e 1997 (Patacho 1998); no Parque Nacional da Peneda Gerês estimaram-se entre 600 e 800 casais em 1996 (Pimenta & Santarém 1996).

Habitat: Na Europa Ocidental e Central a espécie ocorre em áreas abertas, incluindo urzais, campos agrícolas extensivos, pousios, pastagens, arbustos, plantações jovens e pomares com arbustos dispersos. No Sul da Europa encontra-se também em vinhas, em montes ou montanhas baixas de vegetação esclerófita, e pastagens com algumas árvores (Heath 1994).
Em Portugal frequenta habitats mistos de prados e lameiros com sebes e urzais, ocorrendo ainda em locais totalmente desarborizados. Prefere normalmente os locais situados acima da cota dos 800m
(Rufino 1989).



Alimentação: Alimenta-se principalmente de insectos, nomeadamente de coleópteros, e também de alguns invertebrados, pequenos mamíferos, aves e répteis (Cramp & Perrins 1993).
O Picanço-de-dorso-ruivo procura alimento dentro do território de nidificação, apesar de algum alimento ser capturado fora deste. As fêmeas são menos solitárias que os machos, procurando alimento perto uma das outras (Cramp & Perrins 1993).

Reprodução: Essencialmente solitária e territorial, no entanto também pode ocorrer em pequenos grupos; quando a população é densa e os territórios são contíguos (Cramp & Perrins 1993).
Espécie monogâmica, ambos os progenitores cuidam e alimentam as crias. No entanto, os machos que não acasalam associam-se, por vezes, a famílias ajudando a cuidar das crias (Cramp & Perrins 1993).
No caso de a nidificação falhar, o casal reconstrói o ninho, mas algumas fêmeas acabam por abandonar os machos e procuram outro território; a fêmea é menos fiel que o macho (Cramp & Perrins 1993).
Nidifica em densos arbustos baixos ou então em árvores altas, ficando mais exposta. A fidelidade ao local de nidificação depende do sucesso da reprodução anterior (Cramp & Perrins 1993).

In: Plano Sectorial da Rede Natura 2000 www.icn.pt
Fotos. wikipedia e animaispt.blogs.sapo.pt

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget